O “limbo previdenciário”: a divergência entre a avaliação médica do INSS e a avaliação médica a cargo da empresa

Publicado orinalmente em: GEWEHR, Mathias Felipe; GOMES, Daniela Vasconcellos. O “limbo previdenciário”: a divergência entre a avaliação médica do INSS e a avaliação médica a cargo da empresa. Jornal Informante. Farroupilha – RS, v. 495, p. 06-07, 20 jul. 2017.


 

O “limbo previdenciário”: a divergência entre a avaliação médica do INSS e a avaliação médica a cargo da empresa

 

Mathias Felipe Gewehr (OAB/RS 54.294)

Daniela Vasconcellos Gomes (OAB/RS 58.090)

 

Quando o trabalhador possui enfermidade incapacitante para o trabalho, se afasta de suas atividades na empresa, e passa a perceber o benefício previdenciário de auxílio-doença enquanto persistir sua incapacidade, período em que seu contrato de trabalho fica suspenso, conforme prevê o artigo 476 da CLT e o artigo 63 da Lei 8.213/91.

No entanto, nem sempre a avaliação médica realizada pelo médico da empresa e a avaliação médica realizada pelo INSS chegam ao mesmo resultado, situação que pode prejudicar muito o trabalhador, especialmente quando a avaliação da empresa o considera inapto para o trabalho, enquanto o INSS não reconhece sua incapacidade, já que o trabalhador fica sem o benefício previdenciário e também sem a sua remuneração, por ser impedido de continuar prestando o serviço a que foi contratado.

Tal situação é conhecida como “limbo previdenciário”, situação cada vez mais enfrentada pela Justiça do Trabalho. Assim, nessa situação, questiona-se sobre a responsabilidade no pagamento da remuneração nos períodos de indefinição da situação previdenciária do trabalhador, já que o contrato de trabalho fica suspenso enquanto o trabalhador está percebendo o benefício previdenciário do INSS, mas há períodos em que o trabalhador não está percebendo o auxílio-doença e tampouco prestando seus serviços para a empresa, ficando sem qualquer fonte de renda.

Nesse sentido, resta claro que enquanto o empregado encontra-se à disposição do empregador é devido o pagamento de salários, nos termos do artigo 4º da CLT. Nesse sentido, se posicionou Rejane Souza Pedra ao apreciar o RO 0055200-75.2008.5.04.0292, no TRT4: “Tal obrigação decorre do risco do empreendimento assumido pelo empregador e da própria função social do contrato, buscando propiciar ao obreiro condições de vida digna através do desempenho de seu trabalho devidamente remunerado”.

No entanto, deve-se ressaltar também que, obtida a alta previdenciária, o empregado tem o dever de se reapresentar no trabalho, sob pena de caracterizar o abandono do emprego, conforme entendimento da Súmula 32 do TST: “ABANDONO DE EMPREGO. Presume-se o abandono de emprego se o trabalhador não retornar ao serviço no prazo de 30 (trinta) dias após a cessação do benefício previdenciário nem justificar o motivo de não o fazer”.

Assim, diversos julgados têm reconhecido a responsabilidade do empregador, em caso de indeferimento da concessão do benefício previdenciário pelo INSS, em razão do INSS considerar o trabalhador apto para o trabalho, de lhe proporcionar condições de retorno à atividade com a consequente contraprestação dos salários, somente estando o empregador isento de tal responsabilidade quando o trabalhador não se apresenta ao trabalho, por desinteresse em retomar suas atividades profissionais.

No entanto, sem a comprovação de ter o trabalhador se apresentado à empregadora, disponibilizando-se para retomar o trabalho, por optar o empregado por discutir judicialmente a decisão da autarquia previdenciária, não há como atribuir responsabilidade à empregadora pelo pagamento dos salários do período de afastamento.

Esta entrada foi publicada em Artigos em jornais e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>